Belém
+28°C
 
PARTICIPE:
siga o EncontraPA no Facebook
siga o EncontraPa no twitter siga o EncontraPa no Google+
Follow Me on Pinterest
 
Bem vindo ao EncontraPA - Estado do Pará
Capital Belém
2º Maior Estado do Brasil
É o Estado mais rico e populuso da região Norte.
É formado por 144 municípios.
 
 


Nasceu em 2008 o paraense Encontra Pará com a missão de ser o maior Guia de Bairros
e cidades do Pará

Todos os bairros de Belém e cidades PA
“ aqui Paraense Encontra ”
   

::MENU::    Início  |  Sobre Belém  |  Sobre Pará  |  Cidades do Pará  |  Mapas Pará  |  Hotéis Pará  |  Pousadas Pará

Foto Pará

Sobre o estado do Pará (PA)

O Pará é uma das 27 unidades federativas do Brasil, sendo a segunda maior delas, com extensão de 1.247.689,515 km². Situado ao leste da região norte, faz fronteira com Suriname, o Amapá, o oceano Atlântico, o Maranhão, Tocantins, Mato Grosso, o Amazonas, o Roraima e a Guiana.

É o mais rico e mais populoso estado da região norte, contando com uma população de 7.321.493 habitantes. Sua capital é o município de Belém, que reúne em sua região metropolitana cerca de 2,1 milhões habitantes, sendo a segunda maior população metropolitana da região Norte. É formado por 144 municípios.

História

O Forte do Presépio, fundado em 1615 pelos portugueses, deu origem a Belém, mas a ocupação do território foi desde cedo marcada por incursões de Neerlandeses e Ingleses em busca de especiarias. Daí a necessidade dos portugueses de fortificar a área.

No século XVII, a região, integrada à capitania do Maranhão, conheceu a prosperidade com a lavoura e a pecuária. Em 1751, com a expansão para o oeste, cria-se o estado do Grão-Pará, que abrigará também a capitania de São José do Rio Negro (hoje o estado do Amazonas).

Em 1821, a Revolução Constitucionalista de Portugal foi apoiada pelos paraenses, mas o levante acabou reprimido. Em 1823, o Pará decidiu unir-se ao Brasil independente, do qual estivera separado no período colonial, reportando-se diretamente a Lisboa. No entanto, as lutas políticas continuaram. A mais importante delas, a Cabanagem (1835), chegou a decretar a independência da província do Pará. Este foi, juntamente com a Revolução Farroupilha, no Rio Grande do Sul, o único levante do período regencial onde o poder foi tomado, sendo que a Cabanagem foi a única revolta liderada pelas camadas populares.

A economia cresceu rapidamente no século XIX e início do século XX com a exploração da borracha, pela extração do látex, época esta que ficou conhecida como Belle Époque, marcada pelos traços artísticos da Art Nouveau. Nesse período a Amazônia experimentou dois ciclos econômicos distintos com a exploração da mesma borracha.

Estes dois ciclos (principalmente o primeiro) deram não só a Belém, mas também a Manaus (Amazonas), um momento áureo no que diz respeito à urbanização e embelezamento destas cidades. A construção do Teatro da Paz (Belém) e do Teatro Amazonas (Manaus) são exemplos da riqueza que esse período marcou na história da Amazônia.

Com o declínio dos dois ciclos da borracha, veio uma angustiante estagnação, da qual o Pará só saiu na década de 1960, com o desenvolvimento de atividades agrícolas no sul do Estado. A partir da década de 1960, mas principalmente na década de 1970, o crescimento foi acelerando com a exploração de minérios (principalmente na região sudeste do estado), como o ferro na Serra dos Carajás e do ouro em Serra Pelada.

Divisão do Estado

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou em 2011, dois decretos legislativos que autorizavam a realização de um plebiscito que iria decidir pela criação dos estados de Carajás e Tapajós, que seria uma divisão do estado do Pará. O decreto foi promulgado pelo presidente do Congresso Nacional, José Sarney (PMDB-AP). Depois de promulgado, o plebiscito foi realizado em dezembro de 2011, e foi negado.

A aprovação da criação dos estados de Carajás e Tapajós causaria um saldo negativo anual de cerca de R$ 2 bilhões à União, o estado do Tocantins por exemplo da União R$ 500 milhões, de repasse voluntário, cinco anos depois de criado, sendo R$ 100 milhões por ano.

Politicamente, haveria o nascimento de dois estados com populações comparáveis às dos estados de Tocantins e Rondônia, fazendo proporcionalmente jus a uma bancada de apenas quatro deputados federais e de fração de um senador — uma vez que não atinge a proporção de 8/513 (cerca de 1,56%) da população nacional.

Hidrografia

A bacia hidrográfica do estado abrange área de 1.253.164 km², sendo 1.049.903 km² pertencentes à bacia Amazônica e 169.003 km² pertencentes à bacia do Tocantins. É formada por mais de 20 mil quilômetros de rios como o Amazonas, que corta o estado no sentido oeste/leste e deságua num grande delta marajoara, ou os rios Tocantins e Guamá que formam bacias independentes.

Etnias

O Pará teve um elevado número de imigrantes portugueses, espanhóis e japoneses. Estes povos têm suas trajetórias contadas em um espaço permanente, a “Sala Vicente Salles” do “Memorial dos Povos”, situado em Belém. Os lusitanos foram seguidos pelos espanhóis, que chegaram à capital quase que exclusivamente por questões políticas, graças às disputas pela Península Ibérica, em seguida vieram os italianos. Os japoneses, após deixar sua contribuição para o surgimento da cidade de Belém, estabeleceram-se no interior agrário, fixando-se em municípios como Tomé-açu. A maioria da população é parda, devido à grande herança genética indígena e, em menor parcela, africana.

Dialetos

O Pará tem pelo menos dois dialetos de destaque: o dialeto paraense tradicional, usado na capital Belém, no nordeste do Pará, no Baixo Amazonas e no Marajó; enquanto outro é utilizado na região sudeste do Pará (Região de Carajás) e na região da Transamazônica: dialeto derivado da misturas dos dialetos nordestino, mineiro, gaúcho, sertanejo, caipira e paulista.

Principais Cidades

O Pará possui 144 municípios, dentre os quais, importantes para a economia do estado são, Altamira, Ananindeua, Barcarena, Belém, Canaã dos Carajás, Castanhal, Itaituba, Marabá, Paragominas, Parauapebas, Redenção, Salinópolis, Tucuruí e Santarém.

Cultura

Culinária

A Culinária paraense possui grande influência indígena. Os elementos encontrados na região, formam a base de seus pratos, o que deixa os gourmets maravilhados pela alquimia utilizada na produção destes pratos exóticos. Os nomes dos pratos são tão exóticos quanto seu sabor, já que são de origem indígena.

O Pará apresenta mais de uma centena de espécies comestíveis, são as denominadas frutas regionais, e em muitas vezes apresentando um exótico sabor para as suas sobremesas.

Fonte: Wikipédia

Índice

Dados

Gentílico:paraense

Bandeira do Pará
(Bandeira)

Brasão do Pará
(Brasão)

Localização

Região Norte
Estados limítrofes: Amazonas, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Amapá e Roraima
Mesorregiões: 6
Microrregiões: 22
Municípios: 144

Capital

Belém

Governo (2011 a 2014)

Governador Simão Jatene (PSDB)
Vice-Governador Helenilson Pontes (PPS)
Deputados Federais: 17
Deputados Estaduais: 41
Senadores:Jader Barbalho (PMDB), Flexa Ribeiro (PSDB), Mário Couto (PSDB)

Indicadores (2008)

Esper. de vida 72,2 anos (13º)
Mort. Infantil 23,7‰ nasc. (15º)
Analfabetismo 11,9% (16º)
IDH 0,755 (16º) - elevado - 2005

Características geográficas

Área 1,247,689,515 km² (2º)
População
7 792 561hab. (9º) (2012)
Densidade
6 249 046,51 hab./km²
Clima equatorial
Fuso horário UTC-3

Economia (2010)

PIB R$77,848 bilhões (13º)
PIB per capita R$10.259 (21º)

Site do governo